terça-feira, 15 de outubro de 2013

"Não vamos sossegar" diz João Balestra a respeito do BRT

Foto: Marco Monteiro
O secretário de Estado das Cidades, João Balestra, deu início à série de audiências públicas que o governo de Goiás realizará no Entorno do Distrito Federal com objetivo de aglutinar apoio político para cobrar, da presidente Dilma Rousseff (PT), que inclua o BRT Luziânia-Santa Maria entre as obras eleitas para receber recursos do PAC Mobilidade. 
A primeira audiência ocorreu em Novo Gama, em auditório cedido por uma igreja evangélica. Em que pese o temporal caiu no município na hora da reunião, estima-se que cerca de 400 pessoas participaram dela. "Essa batalha vai exigir muito esforço da gente, mas a causa é nobre e essa obra é muito importante. Não vamos sossegar até conseguir", disse Balestra.
As articulações do secretário começaram em Goiânia e já surtem efeito. Estiveram em Novo Gama, ao seu lado, a deputada federal Flávia Morais (PDT), a deputada estadual Sônia Chaves (PSDB), o prefeito do município, Everaldo Pereira (PPL), o presidente da Câmara de Vereadores, Narciso Pereira, vereadores do município e representantes do senador Gim Argello (PTB-DF), do governo federal e de outras secretarias do governo de Goiás. 
O secretário afirmou que o Estado já fez a sua parte: elaborou o projeto técnico e o encaminhou ao ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro. Disse também que o governador Marconi Perillo (PSDB) está 100% engajado e interessado na construção do BRT, obra que vai, na sua população, "revolucionar" o dia-a-dia dos habitantes da região. "Está na mão deles (governo federal). Agora, o que a gente precisa é se unir e sensibilizá-lo a respeito da gravidade do problema". 
Balestra diz que seria injusto deixar os moradores do Entorno entregues ao transporte coletivo de péssima qualidade, como ocorre hoje, enquanto o Expresso DF (já em construção) vai proporcionar rapidez e qualidade incomparáveis para quem mora em Santa Maria e trabalha no Plano Piloto. "Imaginem vocês passando de ônibus, naquele aperto todo, enquanto do lado passa o BRT. Não é correto fazer isso com a população de Novo Gama". 
Na quinta-feira pela manhã, Balestra promoveu a mesma discussão em Luziânia, na Câmara de Vereadores. O quórum foi qualificadíssimo: 19 vereadores participaram do encontro e contribuíram com o debate. Mais importante ainda é que a Câmara toda hipotecou apoio à força-tarefa organizada pelo secretário para convencer Dilma a incluir no BRT no PAC Mobilidade.
A obra custaria aproximadamente R$ 1 bilhão e atenderia demanda de 147 mil trabalhadores que se deslocam diariamente para o Distrito Federal. Passaria por Valparaíso, Novo Gama e Cidade Ocidental. Funcionaria como extensão do Expresso DF. 

Fonte: Secidades GO

Nenhum comentário:

Postar um comentário